Caixa de contato

15 3229 0202

contato@apice.med.br

apicemed

4 dicas para se manter mentalmente saudável durante a quarentena

Outras Especialidades 16/04/2020


Imagem notícia

Os casos do novo Coronavírus (COVID-19) continuam aumentando no Brasil e no mundo. Em resposta, os governos e as organizações de saúde compartilham recomendações para, de alguma forma, suavizar a transmissão do vírus e evitar que os números sejam ainda maiores. Dentre essas práticas, está a suspensão dos eventos públicos, das aulas nas escolas e universidades, das atividades do comércio e outras que fazem parte da rotina, evitando situações de aglomeração de pessoas e mantendo a população em confinamento, devendo sair apenas para as tarefas essenciais.

A saúde física é a principal preocupação por conta da pandemia, mas não é a única. Os desdobramentos da crise também podem causar impacto negativo na saúde mental de muitas pessoas. Apesar de recomendado, o isolamento social pode fazer aumentar a ansiedade e o estresse neste momento delicado. “Em um momento conturbado como o que estamos vivendo, manter uma boa saúde mental é de extrema importância. É fácil se afundar em notícias ruins, preocupação, ansiedade e todos os sentimentos que essa fase nos traz. Por isto, devemos nos atentar à saúde da nossa ‘cabeça’ para não adoecermos mentalmente também”, elucida Dra. Ana Paula Ribeiro, médica psiquiatra da Ápice Medicina Integrada de Sorocaba (SP).

A especialista da Ápice elencou quatro dicas para cuidar da saúde mental durante a quarentena. Atente-se:

Consumo de informação

Somos bombardeados por informações o tempo todo, seja pela televisão, rádio, jornal ou internet, principalmente pelas mídias sociais. O que não faltam são notícias sobre a situação do mundo em meio à pandemia e esse excesso pode ser prejudicial à saúde mental. “É importante manter o equilíbrio, limitar o tempo gasto acompanhando notícias sobre a pandemia. Devemos nos manter informados, é claro, mas sem exageros, além de sempre procurar se informar por meio de fontes confiáveis”, orienta Dra. Ana Paula.

Rotina

Existem profissionais que atuam na linha de frente no combate ao vírus e, sendo assim, precisam continuar trabalhando. Mas, a maioria das pessoas já está trabalhando home office ou está afastada enquanto durar a pandemia. “Independentemente de qual seja a situação, é preciso manter uma rotina mais próxima possível do habitual, executando tarefas diárias. Uma dica importante é fazer uma lista de afazeres a serem cumpridos ao longo do dia, o que facilita para que a pessoa não entre em um modo ocioso e possa enfrentar esta fase de maneira produtiva e proveitosa”, indica a psiquiatra da Ápice Medicina Integrada.

Saúde e bem-estar

Estar em casa e se manter saudável pode ser um desafio para muitos, seja na parte da alimentação, como da saúde física e emocional. “Apesar de vermos um apelo grande de lanchonetes, restaurantes, dentre outros, é de suma importância que as pessoas tenham consciência e não fiquem consumindo comidas calóricas e gordurosas. Manter uma dieta equilibrada, fazer exercícios físicos, mesmo dentro de casa, permanecer hidratado, ter contato com a luz do sol diariamente, ler livros, fazer cursos on-line, passar um tempo com a família, assistir a um bom filme, qualquer que seja a atividade que te faça bem é importante neste momento”, explica Dra. Ana Paula.

Comunicação com familiares e amigos

Apesar de ser necessário o distanciamento físico, é fundamental manter o contato com as pessoas importantes para nós, o que ajuda a nos manter o mais próximo da normalidade possível. “Devemos utilizar a tecnologia para nos aproximar das pessoas. Por mais que o isolamento social seja frustrante, vivemos uma era em que a tecnologia é capaz de ajudar a superar esse momento de alguma forma. Temos muitos meios disponíveis, nas mais diversas plataformas, então, mantenha contato com sua família e amigos, o que, certamente, faz toda diferença”, comenta a médica psiquiatra.

A especialista da Ápice Medicina Integrada ainda frisa que esta é uma situação atípica, que pode causar medo e inquietação, mas devemos manter a calma. “Estamos vivendo uma situação em que as palavras-chave são ‘empatia’ e ‘consciência coletiva’. Nunca vivemos uma crise como esta e isso assusta. Entretanto, não devemos causar histeria geral, sendo preciso manter a calma. Por mais que o isolamento social afete a saúde mental e faça as pessoas se sentirem sozinhas, ansiosas e até deprimidas, é necessário trabalhar a ideia de que este é um momento delicado pelo qual todos devemos passar, juntos. É necessário cultivar pensamentos positivos, cuidar da saúde física e emocional, aproveitando esse tempo de isolamento da melhor maneira possível”, pontua Dra. Ana Paula.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (15) 3229-0202 ou pelo site: www.apice.med.br.