Caixa de contato

15 3229 0202

contato@apice.med.br

apicemed

Doenças mentais não diagnosticadas são as principais causas de suicídio

Outras Especialidades 27/08/2019


Imagem notícia

Uma pessoa a cada 45 minutos coloca fim à própria vida no Brasil. Isto significa 32 vidas, por dia, segundo os dados mais recentes da OMS (Organização Mundial de Saúde).

De acordo com Dra. Ana Paula Ribeiro, médica psiquiatra da clínica Ápice Medicina Integrada, de Sorocaba (SP), ainda existem muitas barreiras a serem vencidas quando o assunto são as doenças mentais. “Há vários empecilhos em relação a esse assunto, que continua sendo um tabu, apesar de ser mais debatido hoje em dia. Atualmente, o suicídio é a segunda principal causa de morte entre os jovens com idades entre 15 e 29 anos no mundo. Precisamos conscientizar a população sobre a gravidade das doenças mentais que levam a esse triste cenário. Só vamos mudar esses números quando falarmos abertamente sobre a importância do cuidado com a saúde mental”, alerta a médica.

São inúmeras as causas e diversos os fatores que levam alguém a cometer suicídio. Contudo, as pesquisas da OMS apontam que 90% dos casos podem ser prevenidos, já que a maioria deles envolve portadores de transtornos mentais que, muitas vezes, não são diagnosticados e devidamente tratados.

De acordo últimos dados da OMS, a depressão afeta 4,4% da população mundial (322 milhões de pessoas) e 5,8% dos brasileiros (11,5 milhões), sendo o Brasil o país com a maior prevalência do problema na América Latina e o quinto no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Austrália, Estônia e Ucrânia. Além da depressão, outro mal que assola a população mundial – e, em especial, os brasileiros, é a ansiedade. No mundo, o transtorno de ansiedade afeta 3,6% da população e 9,3% no Brasil, tornando o nosso o país com o maior índice de ansiedade do planeta.

Em 2003, 10 de setembro foi instituído como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio e, em 2015, teve início no Brasil a campanha de conscientização “Setembro Amarelo”, por iniciativa conjunta do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Durante todo o mês, acontece uma programação especial para que se abra espaço para as discussões sobre o tema, alertando a população a respeito da importância de se procurar ajuda especializada para o tratamento das doenças mentais, assim como quebrar o preconceito acerca da questão. “É importante falar sobre o assunto e trazer esse debate à tona, assim como não ignorar a realidade que bate à porta de milhares de pessoas. É necessário cuidar da saúde mental tanto quanto devemos cuidar da saúde física. A qualquer sinal de uma doença mental, seja ela qual for, deve-se procurar ajuda especializada. Não é vergonha alguma e deve ser tratada com seriedade”, enfatiza Dra. Ana Paula.

Para a especialista da Ápice Medicina Integrada, “a prevenção começa com a conscientização da população em relação ao problema gravíssimo, por meio da disseminação de informações sobre o assunto e fornecendo o suporte necessário para o tratamento adequado”.